Entre Parentes
Open Panel
Shirley

Entre Parentes

Parece sem sentido o ato voluntário de escrever. Escrever a quem e para quê? Escrever aos parentes para falar de um mundo amplo, tão amplo que não cabe nos olhos vivos, languidamente desenhados, tristemente desviados. Escrever com gosto, com cheiro forte, sobre um diálogo apimentado em um espaço vasto, tão vasto que arrodeia toda a nossa existência e, se deixarmos, pode mesmo nos engolir como aquele peixe grande.

 

Embora tudo pareça perdido, falaremos de esperança.

01

Por mais que a dor persista, preferimos o sorriso. Mesmo que digam por nós, só nós sentimos a verdade e buscaremos dizer do nosso jeito. Enquanto durar a dor, durará o sonho e nossos filhos serão mais livres.

Leia mais: Embora tudo pareça perdido, falaremos de esperança.

Hoje tá parecendo ontem, só um pouco mais triste.

04

Para onde foram todos? O que fazer nesse silêncio? Escute! Abaixe seu ouvido rente ao chão e escute. Sinta a vibração de passos alinhados, de coisas grandes em deslocamento, apressados.

Leia mais: Hoje tá parecendo ontem, só um pouco mais triste.

Ao vislumbrar os fatos, nos vemos flutuando.

02

Nós, parentes, flutuando? Sim, parentes flutuando e esse flutuar não é bom. Quando tudo isso começou e aonde vai dar? No que o parente descuidou, olhou mais que o necessário e, nessa demora, se deixou levar.

Leia mais: Ao vislumbrar os fatos, nos vemos flutuando.

Obras